Acompanhem, à luz de Apolo, permitida por ele e pelo Senhor da Esfera, a beleza dos malmequeres que a Prima Vera recebeu do mano Inverno.

 

 

 

A beleza dos malmequeres, existe também na música

 

Tenho caminhado por entre os tais malmequeres mentirosos e confirmei uma certeza que já tinha.

Os malmequeres podem mentir-nos sempre que lhes apetece quando lhes arrancamos as pétalas, mas não metem quando nos olham, quando são eles a nos observarem.

 

Eles imitam, muito bem, a redonda face, longínqua, do meu amigo Apolo, quando sorriem com aquele ciclo amarelo no centro e esticam as suas pétalas brancas à procura do infinito.

 

 
Acompanhei, nas minhas caminhadas, o nascer e o crescer destes malmequeres

 

Caminhando entre eles, acompanhado por aquelas revoadas emanadas da energia partilhada por um dos meus companheiros de caminhadas, Eolo, eles sempre vão dançando o vira e revira de um vira tão eufórico como a beleza natural que me apresentam.

Mas também são chatos! Fundamentalmente, quando nesse vira-revira, se juntam numa luta colectiva contra a minha já tão dessiminada grande fama de paparasi reconhecida por todas as flores de vales e cabeços às margens do Tejo.

 

 
Eles fazem, certamente, as n ossas caminhadas muito mais belas

 

Imaginem as teimosias do Ventor e dos malmequeres, quando o meu amigo Eolo se pretende divertir connosco. Só vendo! E calculem os shows que eu e os malmequeres já temos dado com essas teimosias. Coelhos e perdizes, pássaros e escaravelhos, minhocas e gafanhotos, ... humanos e tantos outros, se divertem connosco. E imaginem que nunca tenho a tentaçãso de disputar o jogo do "bem me quer", "mal me quer", com as suas pétalas.

 

Pensei escrever aqui algo sobre esta linda flor, mas desisti, tal a complexidade botânica, emaranhada em géneros e espécies sem fim, levou-me a pensar, por que motivo tornar tão complexo uma flor tâo simples e tão bonita e, ... ainda por cima, nos quer bem!

 

 
Mas, os malmequeres, são de uma grande imensidão, de cores, de formas e até de espécies - milhares! Mas eu só chamo malmequeres a estas duas formas, desde que nasci. Todos os outros pertencem à outra grande imensidão, bem maior - as flores.

 

Fiquem só com os malmequeres. Esqueçam os milhares de espécies, de géneros, de ....

 

O Ventor gosta de música e de instrumentos musicais e, entre eles, um dos mais apreciados é a gaita galega, como dizíamos em Adrão, 50 anos atrás

publicado por Ventor às 22:32